quinta-feira, 6 de maio de 2010

BARÃO DE MOSSORÓ - FONTE: TOMISLAV R. FEMENICK



O que é que há que ligue Mossoró, a título de nobreza e a Monteiro Lobato? É uma história que envolve o nome de Mossoró, escravos, empreendedorismo, petróleo e outra coisas mais. Bem, vamos aos esclarecimentos.

Durante o Império, Mossoró foi um título de nobreza, concedido ao paulista José Feliz Monteiro, que recebeu o título de Barão e depois de Visconde de Mossoró. No livro “Os barões do café” (Aparecida: Santuário, 2001), José Luiz Pasin, assim descreve o nosso Visconde: “Filho do Alferes Francisco Alves Monteiro e de Teodora Joaquina de Moura, nasceu em Taubaté, no dia 14 de janeiro de 1838. Proprietário da Fazenda Paraíso, no bairro do Piracuama, com mais de 1.000 alqueires de terras, 300.000 pés de café e 400 trabalhadores, escravos e colonos portugueses e da fazenda Independência, no bairro do Paiolinho, em Redenção da Serra. Em sociedade com seu irmão, o Visconde de Tremembé (José Francisco Monteiro), fundou a Casa Bancária José Francisco Monteiro & Irmão e com seu cunhado, o major Augusto Varella e os outros irmãos José Gabriel e José Rodolfo, a firma "Monteiro & Varella", com o capital de 120 contos de réis, para o comércio de ferragens, fazendas, secos e molhados, em Taubaté. Filiando-se ao Partido Liberal, nele militou até a proclamação da República, quando abandonou as atividades políticas. Espírito progressista e humanitário, procurou dotar o município de Taubaté com escolas públicas, auxiliou o patrimônio do Hospital Santa Isabel, a reconstrução da Igreja Matriz, a conclusão da Igreja do Rosário, a fundação do Colégio do Bom Conselho, a construção do Teatro São João e ainda, o estabelecimento de uma fábrica de gás e óleos minerais. Socorreu a população flagelada por uma epidemia de varíola (1873-1874), fornecendo recursos e alojamento para manutenção dos variolosos pobres. Foi agraciado pela Princesa Imperial Regente Dona Isabel, com o título de Barão de Mossoró, no dia 25 de julho de 1877, e pelo Imperador Dom Pedro II, com o título de Visconde de Mossoró, no dia 16 de outubro de 1888. Passando a residir na cidade de São Paulo, elegeu-se vereador e foi um dos fundadores do Liceu de Artes e Ofícios, dirigido pelos padres salesianos, sob a invocação de Liceu Gomes de Jesus. Casou-se com Mariana Augusta Varella, filha de Antonio Joaquim Gomes Varella e de Maria Leopoldina Marcondes Varella [com quem teve 5 filhos]. O Visconde de Mossoró faleceu no dia 15 de julho de 1892, estando sepultado na Capela da Família Monteiro, no Cemitério da Venerável Ordem Terceira de São Francisco, no Convento de Santa Clara, em Taubaté”.

Por fim, o visconde de Mossoró era tio-avô (tio em segundo grau) de José Renato Monteiro Lobato, o famoso Monteiro Lobato, autor de livros infantis – entre eles “O Sítio do Pica-pau Amarelo” – e para adultos, bem como grande batalhador pela exploração do petróleo nacional.B

Nenhum comentário:

Postar um comentário